Discutem que o discípulo de Confúcio após perguntar ao mestre: o que você acha mais engraçado na raça humana? Confúcio respondeu:
“Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro. E vivem como se nunca fossem morrer… e morrem como se nunca tivessem vivido.” Confúcio.

Apesar do tema: Qualidade de vida parecer uma preocupação do mundo moderno deste século, a história parece indicar que esse tema sempre esteve presente na vida das pessoas.

Contadores de estórias, dizem que perguntaram ao João (nome fictício):

Pra que você trabalha?

João responde: Pra ganhar dinheiro.

E pra que você quer dinheiro?

João afirma: Pra comprar feijão.

E pra que comprar feijão?

João diz: Para comer e ficar forte.

E pra que ficar forte?

João responde: Pra trabalhar.

E pra que você trabalha?

João continua respondendo: Pra ganhar dinheiro.

E pra que você quer dinheiro?

João insiste: Pra comprar feijão.

Mesmos após várias discussões sobre os conceitos de qualidade de vida envolvendo situações da vida tais como: físico, mental, psicológico, emocional, saúde, vida sexual e sexualidade saudável, tempo com a família, relacionamentos sociais, tempo para si, alimentação, água, atividade física, sono, lazer, cultura, educação e poder de compra… Que “não deve ser confundido com padrão de vida, uma medida que quantifica a qualidade e quantidade de bens e serviços disponíveis” .

A humanidade parece não conseguir se desvincular da “roda do ramister” (trabalhar para comer… pagar contas etc) exemplificada acima da estória de João.

Vários estudos foram realizados nesse tema (Qualidade de Vida), mas ao que parece é que ninguém conseguiu alcançar uma solução completa. Foram oferecidos vários passos, dicas, maneiras, formas etc. Entretanto, quando aplicados na prática, a conclusão que se chega é que, tudo muda ou precisa ser adequada à condição de cada indivíduo.

Quando se pensa em fatores como os citados acima e abordados abaixo, é fácil notar que existe uma necessidade de: equilíbrio, tempo de atenção e dedicação entre todos os itens para garantir que um contribua com o outro e não prejudique os demais.

Para exemplo: Físico: descanso e cuidados pessoais que vão da alimentação aos cuidados com o corpo e a higiene, passando por vencer vícios prejudiciais; adicionando boa qualidade de sono, contribuem para um bom estado mental e físico, entretanto se o estado psicoemocional estiver sofrendo poderá afetar o estado físico, prejudicando a saúde física, psicoemocional e vida sexual saudável.

Enquanto isso, se o tempo dedicado aos relacionamentos sociais forem excessivos e desconexos do tempo com a família, um poderá prejudicar o outro.

Assim percebe-se que o equilíbrio é fundamental em todos os casos incluindo: alimentação, água, atividade física, sono, lazer, cultura, educação e poder de compra.

Contudo, outro desafio que Organizações, famílias e pessoas têm enfrentado está no campo da: Qualidade de Vida no Trabalho. Por ser esse um tema muito extenso para esse artigo, fica uma dica:

“Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida”. Confúcio

Publicado a primeira vez em: 17/09/2010 no site – http://www.darcosousa.com
Escrito por: Darco Sousa


Referências:

1 – Apesar desta frase e história serem atribuídas ao Mestre Confúcio, muitos acreditam que Buda já tinha proferido. O fato é que esse pensamento parece muito comum no mundo oriental, principalmente no: Budismo e Hinduísmo. Pesquisa no Google em: 17/09/2010.
2 – Wikipédia: A enciclopédia Livre. Site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Qualidade_de_vida visitado em: 20/09/2010.
3 – Atribuída ao Mestre Confúcio.

Anúncios